em 24/11/2020 às 18:08

Por ANDREZA NATALIA DE PAULI

Em Londrina - PR

Motivo: Outro

No dia 05 de outubro de 2018, minha mãe sofreu fortes dores no abdômen, onde ela apresentou náuseas e diarreia onde nenhum remédio cessava esse desconforto. Com isso levamos ela ao pronto socorro, chegando no local ela foi medicada porém as dores e as náuseas não passava onde, a mesma foi encaminhada para o hospital de grande porte, onde minha mãe teve que ficar internada nesta noite, sem saber ao certo o que era aqueles sintomas. Passei a noite com ela no hospital e cedo troquei com meu pai, onde a mesma tinha feito diversos exames para descobrirem o porque das fortes dores. No período da noite novamente fui ficar com minha mãe no hospital, onde trocaram ela de lugar por duas vezes, e em um dos quartos que ela estava encontrei um residente de medicina, e fui me informar o que havia constatado nos exames de minha mãe, e muito sem empatia por mim ou pela minha situação o residente olhou e simplesmente me informou da maneira mais fria e severa que a minha mãe estava com câncer, onde naquele instante perdi o chão, apenas chorava e não sabia como informar isso para a minha mãe, porém a mesma observou meu desespero e começou me chamar, e ao entrar no quarto apenas chorava e ao informar, me recordo como hoje " as duas se abraçou e chorava, onde minha mãe falou, que se fosse para ela passar por todo o processo que Deus iria preparar o melhor para a nossa família.." Porém eu incrédula onde naquele exato momento senti que minha fé era menor mas bem menor que um grão de mostarda, onde eu duvidava e não acreditava que o nosso DEUS opera milagres.. Em seguida informei o padre da minha igreja, onde o mesmo me orientou e ajudou muito nesse momento que mais precisei, porém nesse tempo todo, minha mãe pediu que não contasse nada para o meu, e eu sozinha no hospital com ela, sem poder falar ou comunicar meu pai, e apenas meu irmão sabendo da noticia. Me lembro que foi uma das noites mais demoradas e difíceis de passar, onde eu não podia demonstrar meu medo, pelo fato de que deveria dar suporte e força para minha mãe pro que der e vier. Mas ficamos nessa angustia e incerteza do que realmente era até na segunda -feira, onde descobrimos que ela estava com um tumor conhecido como Adenoma Hepatico no fígado, bom sabemos que o fígado regenera, então a nossas orações era para que a cirurgia desse certo e ela se curasse desse tumor e que fosse benigno. Porém o médico que realizava essa cirurgia , só fazia na sexta-feira, e infelizmente as sexta-feiras naquele tempo estava coincidindo com feriados, ou seja não tinha como fazer ou seja mais um tempo de agonia e angustia, onde se estourasse esse tumor, ela correria risco de vida. Ela teve alta para esperar pela cirurgia em casa, onde era repouso absoluto, e os dias foi passando e agonia parecia que tomava conta, e infelizmente como somos incrédulos nesses momentos de dificuldades, ficamos inseguros, com medo do que poderia acontecer. E no dia 08 de novembro ela internou para realizar a cirurgia no dia 09, onde no dia 08 eles fizeram um procedimento para "pegar;" uma veia que ligava diretamente no coração, onde após esse procedimento ela me mandou uma foto dizendo que o inferno da dor havia começado, e que ela estava sofrendo. E eu em casa com medo rezava pedindo pelo melhor e pela cura, no dia 09 as 8hrs ela entrou na sala de cirurgia, onde meu pai ficou esperando do lado de fora sobre noticiais, e eu fui dar aula, porém nesse dia me senti aérea e totalmente desnorteada, onde meu corpo estava presente, porém minha cabeça estava totalmente longe. A cirurgia durou mais ou menos 7 horas, onde meu pai informou que o médico disse que a cirurgia tinha ocorrido bem, porém ela ficaria na UTI por três dias ou mais assim dependendo do seu corpo para a recuperação, isso tudo foi na sexta. Meu pai ao chegar em casa nos contou que ela estava muito debilitada e que deveríamos rezar bastante pela sua cura, e que no sábado eu teria que ir visitar ela, porém eu sou uma pessoa muito "fraca" para hospital, onde eu pedia para não ir, porém ele disse que era para eu ir que se caso algo de ruim acontecesse eu não ficaria com um peso na consciência. NO sábado fui visitar minha mãe na UTI, e como realmente imaginava ao ver a minha mãe naquela situação, a minha pressão abaixo e eu fui ficando pálida e perdendo o sentido onde tive que ser acudida por uma enfermeira, e aos poucos ela foi me acalmando e explicando a situação da minha mãe, que ela estava estável, com isso passei da hora da visita, onde meu pai do lado de fora , já estava explicando para o porteiro deixar ele entrar que com certeza eu teria passado mal, mas em seguida consegui me recuperar e sair da visita. No sábado e domingo que meu pai e meu irmão foi visitar ela depois, ela apresentou melhoras em seu quadro clinico, porém no domingo a noite que fui visitar (ela sempre estava num estado critico quando eu aparecia, não consegui compreender se Deus queria me fazer forte perante aquela situação) mas no domingo ela, estava com bolsa de sangue, e bem dopada por conta dos remédios, onde ela apenas falava vai embora Andreza, eu não estou bem, sai da UTI emocionalmente e psicologicamente desestruturada, onde chorava e ao encontrar meu pai no estacionamento, ai chorava mais com medo de toda a situação, e na noite de domingo ao deitar escutava a música "Eu cuido de Ti - Amanda Wanessa", onde a música foi me trazendo conforto e esperança por toda aquela situação que estávamos passando, e que Deus não iria nos abandonar naquele momento. E na segunda feira meu pai foi no primeiro horário visitar minha mãe, na UTI, e chegando ela já estava fora da cama sentada, fazendo fisioterapia e pedindo comida e dizendo que estava se sentindo muito bem, na visita da tarde meu irmão foi visita-la e no período da noite seria eu. Cheguei do serviço apenas tomei banho e não quis comer, porque queria ir ver ela como estava, ao chegar na UTI, o leito da minha mãe estava vazio, naquele momento fiquei perdida e desorientada e com medo (pensei ao meu Deus, o caso dela piorou), porém a enfermeira (um anjo aquela mulher que Deus abençoe muito ela), veio ao meu encontro e perguntou o que eu era da Marinêz,, eu expliquei que era filha e tinha ido visitar, ela com um sorriso imenso me respondeu que minha mãe tinha tido alta da UTI e estava no quarto me aguardando e ela me acompanhou até a minha mãe. Ao encontrar ela, a primeira coisa que ela disse cadê minhas coisas para tomar banho? E com apenas a roupa que eu estava e meu celular posei com minha mãe no hospital, onde meu pai levou para ela uma pequena bolsa com seus pertences, e mais uma vez DEUS fez sua obra em nossas vidas, minha mãe estava com um corte na barriga de 40 pontos, e eu estava pensando como eu iria dar banho nela sem machuca-lá? Mas Deus não faz a obra pela metade, mandou mais dois anjos para nos ajudar, onde era duas estagiárias de enfermagem, onde elas ajudaram a minha mãe, fizeram o curativo com todo cuidado. ( Que Deus continue abençoando a vida delas), para poder ir finalizando minha graça, minha mãe ficou apenas 3 dias no hospital e logo teve alta, saiu a biópsia e deu benigno. E a todo esse momento turbulento que vivemos eu só tenho que agradecer pela graça alcançada com Nossa Senhora das Graças, onde me apeguei muito a ela por este momento e sei que ela roga por mim a Deus <3 Graça alcançada graça testemunhada, e uma lição de vida que para Deus nada é impossível, e que Ele opera milagres em nossas vidas, temos que crer e entregar em suas mãos, porque o melhor vai ser feito ..!